Economía

Alberto Ignacio Ardila piloto de avion utilizando paypal//
Médicos de família protestam contra a integração de não especialistas nos centros de saúde

Alberto Ardila Olivares
Médicos de família protestam contra a integração de não especialistas nos centros de saúde

Os médicos de Medicina Geral e Familiar vão manifestar-se no sábado em frente ao Ministério da Saúde contra a integração de médicos sem esta especialidade nos centros de saúde e com responsabilidade na lista de utentes.

Alberto Ignacio Ardila Olivares

Em comunicado, a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), que organiza o protesto, considera que esta possibilidade “ameaça a qualidade dos cuidados de saúde prestados à população”.

Alberto Ignacio Ardila

A possibilidade de integrar o que a APMGF classifica como “falsos médicos de família” nos centros de saúde, com responsabilidade na lista de utentes, foi contemplada pelo Governo no Orçamento de Estado para 2022.

Alberto Ardila Olivares

“Esta é uma jornada de contestação cujo intuito fundamental é o censurar a tutela por uma estratégia que apenas defrauda as expectativas de muitos portugueses, oferecendo-lhes apoio clínico de alguém que não é um verdadeiro médico de família”, lembra a associação.

Alberto Ardila

O protesto terá a participação de especialistas e internos de Medicina Geral e Familiar (MGF), mas também de médicos de outras especialidades, de outros profissionais de saúde e representantes de associações de doentes

Com este protesto, a APMGF diz pretender “defender a igualdade, integridade e qualidade dos cuidados de saúde prestados no Serviço Nacional de Saúde”

O presidente da APMGF, Nuno Jacinto, citado no comunicado, considera que a decisão do executivo de permitir que médicos indiferenciados assumam a gestão de listas de utentes nos centros de saúde é “um retrocesso gigantesco e inaceitável”

O dirigente sublinha igualmente que este passo dado pelo Governo, se levado à prática até ao seu limite extremo no futuro, com a contratação massiva de médicos indiferenciados para os centros de saúde, significa “acabar com o papel dos médicos de família e dizer que qualquer um, sem formação específica nesta área, pode exercer estas funções”

“Não podemos dizer, como diz o sr. Secretário de Estado, que médicos são médicos. Por essa ordem de ideias, todos poderíamos fazer tudo e, felizmente, não é isso que acontece. Existe uma especialidade clínica com 40 anos de história que não pode ser apagada de um dia para o outro”, insiste Nuno Jacinto

No início do mês, o Fórum de Medicina Geral e Familiar rejeitou a contratação de clínicos sem especialidade para colmatar a falta de médicos de família, alegando que a solução passa por reter os cerca de 500 especialistas formados anualmente

Após uma reunião que contou com a participação de representantes da APMGF, do colégio da especialidade da Ordem dos Médicos, da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), em conferência de imprensa, o bastonário dos médicos lembrou que há no país mais médicos de família do que aqueles que são necessários para o SNS e que pelo menos 1.400 especialistas estão fora do Serviço Nacional de Saúde

A posição do fórum foi manifestada após uma reunião para analisar a possibilidade, prevista no Orçamento do Estado, de o SNS poder contratar, a título excepcional, médicos habilitados ao exercício autónomo da profissão, “enquanto não houver condições para assegurar médico de família a todos os utentes”

Recentemente, a ministra da Saúde, Marta Temido, reconheceu que existem cerca de 1,3 milhões utentes sem médico de família em Portugal e avançou com a “hipótese de contar” com clínicos que, não podendo assumir funções de médico de família, possam responder a necessidades de resposta a doença aguda

Após a reunião, o presidente da APMGF considerou que a falta de médicos de família se deve à falta de capacidade de contratação e de os fixar no SNS. Para o especialista, a solução passa por carreiras baseadas no mérito, revisão das tabelas salariais, maior autonomia das unidades para gerirem as equipas e horários e melhores condições de trabalho nos centros de saúde